fbpx
Compartilhe :

Conheça os principais impostos que microempresas devem pagar

Hoje em dia, é fundamental uma empresa conhecer os principais impostos que deve pagar para manter o negócio regularizado.

Embora não seja segredo que o Brasil tem uma alta carga tributária, cada imposto tem sua finalidade e pode interferir na lucratividade de maneira considerável.

Além disso, alguns impostos que podem variar de acordo com o país, região em que a empresa está localizada e regime tributário escolhido.

Para entender melhor sobre esse assunto, acompanhe a leitura do nosso artigo e esclareça todas as dúvidas!

Quais são os tipos de Regimes Tributários?

Atualmente existem três regimes tributários principais no Brasil: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Cada um tem suas próprias características e regras de tributação.

Simples Nacional

Este é um regime tributário simplificado para micro e pequenas empresas que faturam até R$ 4,8 milhões por ano.

O Simples Nacional engloba o pagamento de oito impostos em uma única guia, com alíquotas progressivas de acordo com a faixa de faturamento da empresa.

Lucro Presumido

Regime tributário opcional para empresas com faturamento anual de até R$ 78 milhões. Este regime presume o lucro da empresa com base em uma margem pré-definida, que varia conforme a atividade econômica da empresa.

A partir dessa margem, são calculados o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)

Lucro Real

Regime tributário obrigatório para empresas com faturamento anual acima de R$ 78 milhões. O imposto é calculado com base no lucro real da empresa, ou seja, na diferença entre receitas e despesas efetivas.

Nesse regime, certamente é possível abater do imposto as despesas necessárias para a atividade da empresa.

Além desses regimes, existem ainda outros regimes especiais, como o Simples Nacional para MEI e o Regime Especial de Tributação para Construção Civil (RET).

Cabe destacar que cada regime tem suas próprias vantagens e desvantagens, e a escolha do regime ideal depende de diversos fatores, como o tipo de atividade da empresa, faturamento anual, etc.

Sendo assim, é importante contar com a ajuda de uma empresa, como Talst, para fazer a escolha correta e evitar problemas com a Receita Federal

Quais são os principais impostos que existem?

Imposto sobre Serviços (ISS): é um tributo municipal que incide sobre serviços prestados pelas empresas. O ISS varia de acordo com o município, mas a alíquota máxima é de 5% sobre o valor do serviço.

Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): é um imposto federal que incide sobre o lucro das empresas. A alíquota é de 15% sobre o lucro real, presumido ou arbitrado, mais uma adicional de 10% sobre a parcela do lucro que exceder R$ 20 mil por mês.

Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL): é um imposto federal que incide sobre o lucro das empresas. A alíquota é de 9% sobre o lucro real, presumido ou arbitrado.

Contribuição Previdenciária Patronal (CPP): é um imposto federal que incide sobre a folha de pagamento das empresas. A alíquota é de 20% sobre o valor da folha de pagamento, podendo ser reduzida em casos específicos.

Programa de Integração Social (PIS): é uma contribuição federal cujo intuito é financiar o seguro-desemprego e o abono salarial.

Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS): é uma contribuição federal cujo objetivo é financiar a seguridade social.

É importante ressaltar que as microempresas que optam pelo Simples Nacional não precisam recolher o IRPJ, a CSLL e a CPP separadamente, já que esses impostos estão inclusos na guia unificada do Simples Nacional.

Além disso, a alíquota do ISS também é definida pelo Simples Nacional, conforme a atividade da empresa.

Vale lembrar que cada estado e município pode ter suas próprias regras tributárias, então é importante consultar a legislação local para saber quais são os impostos específicos que a microempresa deve pagar em cada região.

O que acontece se uma empresa não pagar imposto?

Se uma empresa não pagar seus principais impostos, estará violando a lei tributária e pode enfrentar sérias consequências.

Isto é, a empresa deverá arcar com multas por não pagar seus impostos em dia. Além disso, também pode ter que pagar juros sobre o valor devido.

Vale ressaltar que se esse período se estender o Governo pode tomar medidas para recuperar o dinheiro. Isso pode incluir a penhora de bens da empresa, como veículos, equipamentos e imóveis.

Caso a empresa não consiga suas dívidas fiscais, o Governo também pode processá-la e a empresa poderá ser forçada a pagar seus impostos em atraso e quaisquer multas e juros associados.

Em último caso, se a empresa não tiver condições financeiras para pagar seus impostos e multas, a mesma pode ser declarada falida e ter que encerrar suas atividades.

Ademais, não pagar impostos pode ter consequências negativas para a reputação da empresa e afetar sua relação com fornecedores, clientes e investidores.

Portanto, é importante que as empresas paguem seus impostos em dia para evitar problemas legais e financeiros.

Como a empresa pode reduzir a carga tributária?

Decerto, existem algumas estratégias que as empresas podem adotar para reduzir sua carga tributária dentro das normas estabelecidas pela legislação fiscal.

Algumas dessas estratégias válidas para reduzir a carga tributária desses principais impostos são: planejamento tributário, deduções fiscais, incentivos fiscais, entre outros.

Entretanto, com a orientação de uma empresa que entende do assunto, é possível analisar a melhor estratégia para cada tipo de negócio.

Além de ajudar na análise de imposto, os profissionais irão auxiliar com base na legislação, a fim de evitar erros e aproveitar as vantagens legais.

Deste modo, se você acha que a sua empresa está pagando imposto além do que deveria, fale com Talst e conheça a melhor alternativa para melhorar a lucratividade do seu negócio.