Seu contador já te falou sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins?

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter

Nesta última semana, você empreendedor, deve ter se deparado com uma grande notícia sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do Pis/Cofins, e temos a certeza de que agora você deve estar pensando, “maravilha, um imposto a menos para pagar!”. Apesar da notícia ser muito boa, é importante entender o que muda de fato para as empresas após essa decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), e neste artigo vamos explicar de uma vez por todas como os regimes tributários são afetados, por isso, continue a leitura até o final e fique por dentro do assunto.

O Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu o julgamento do RE 574706 que discutia se o ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços deveria compor ou não a base cálculo do PIS e Cofins. Finalmente colocou-se um ponto final nesta história, sendo decidido que o ICMS destacado em nota fiscal, não deverá compor a base de cálculo PIS e COFINS. O cálculo do ICMS permanece o mesmo, mas para o cálculo do PIS e Cofins é preciso excluir o ICMS do valor da mercadoria, diminuindo assim a carga tributária e o valor a ser recolhido.

 

Como irá funcionar a partir de agora?

Para que essa questão fique ainda mais fácil de compreender, a partir dessa decisão, o STF concluiu que o ICMS é um imposto considerado ônus fiscal dos contribuintes, entretanto… não pode ser considerado como receita que justifique incidência das contribuições do PIS e COFINS, ou seja, mesmo que o ICMS esteja inserido nos preços dos produtos e também de alguns serviços, os valores percebidos pelas empresas, não podem ser considerados faturamento ou receita.

O ICMS é o imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação e o PIS e a COFINS são pagos por empresas de todos os setores e ajudam a financiar a Previdência Social e o seguro-desemprego. A exclusão do ICMS acarreta na perda de R$250,3 bilhões para a União, além disso, o Fisco deixará de obter cerca de R$20 bilhões por ano, o que podemos considerar um verdadeiro impacto para os cofres públicos.

Mas agora você também precisa saber…

 

O que muda para os regimes Lucro Presumido e Lucro Real?

 As empresas que atualmente estão enquadradas no Lucro Presumido, quando escolhem esse regime, a base de cálculo do IRPJ – Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas e da CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido é a receita bruta entendida como  “o produto da venda de bens nas operações de conta própria”, de acordo com os termos do Art. 31 da Lei 8.981/95, por essa razão, entende-se que o valor arrecadado a título de ICMS não está incluso ao patrimônio do contribuinte e não representa faturamento ou receita, e sim apenas o ingresso de caixa ou de trânsito contábil a ser totalmente repassado para o Fisco.

À vista disso, este raciocínio deve ser aplicado para a base de cálculo do IRPJ e CSLL das empresas que recolhem imposto pelo Lucro Presumido, excluindo assim o ICMS da base de cálculo desses tributos. Já no que diz respeito aos créditos presumidos do ICMS que não integram a base de cálculo do IRPJ e CSLL, esse créditos figuram como benefícios concedidos pelos estados em contextos de incentivo fiscal às empresas.

E já para as empresas que são optantes pelo Lucro Real, nesse regime, o cálculo de apuração dos tributos IRPJ e CSLL, são considerados lucro contábil efetivamente apurado, ou seja, o cálculo de tributos não é feito diretamente sobre o valor de faturamento, mas sim na possibilidades de ajustes, adições, exclusões e compensações de despesas e custos operacionais, dado a isto, podemos entender que na apuração baseada neste regime não cumulativo (diferente do Lucro Presumido) é real e por isso, o imposto ICMS também não é incluído na base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

 

E o que muda para o regime Simples Nacional?

 Segundo o Supremo Tribunal Federal (STF) essa decisão não se aplica às empresas optantes pelo Simples Nacional e existe uma razão muito simples para isso.  O ICMS incide sobre a circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação e o valor do imposto está incluído no total da nota fiscal, é por isso que diz que seu cálculo é “por dentro”.

Agora, quando você adquire uma mercadoria por mil reais por exemplo, dentro dessa quantia existe uma parcela relativa ao ICMS e as empresas comerciais e industriais têm direito a recuperação desse valor compensando com o imposto a pagar, e já o Simples Nacional é diferente, o cálculo do tributo é sobre a receita bruta, por isso, do valor do Simples, a empresa pagará apenas uma parte que representa o recolhimento a título de ICMS, sendo assim recolherá 8 tributos: IRPJ, CSLL, IPI, PIS/PASEP, COFINS, CPP, ISS e ICMS, entendeu que estamos falando de tributos diferentes?

 

De que maneira isso pode afetar sua empresa?

Como falamos no início deste artigo, a União é a maior prejudicada com essa decisão e apesar de ter perdido a batalha judicialmente, durante o período de regulamentação da decisão, é possível que a mesma insista na fiscalização com a tentativa de “retardar” a redução dos cofres públicos, no entanto você empreendedor pode ficar tranquilo, pois caso isso venha acontecer, basta acionar o jurídico que a causa será ganha.

  

Como ficam os últimos 5 anos de contribuição?

O STF autorizou a recuperação dos períodos a partir de 03/2017 para as empresas sem liminar na justiça, essa é uma grande oportunidade para as empresas aumentarem seus investimentos e superar todo o cenário dessa crise econômica atual.

Para saber se a sua empresa está apta a receber o crédito do ICMS,  entre em contato com o seu contador, mas se você é cliente Talst, fale com a nossa equipe  e saiba como funciona o procedimento de recuperação para a sua empresa.

 Este pode parecer um assunto complexo, no entanto é só uma questão de interpretação, e apesar do Simples Nacional não estar incluído na exclusão do ICMS, você empreendedor não precisa se preocupar, porque em breve poderá conferir algumas novidades que a Talst está preparando para você. Caso ainda tenha dúvidas sobre este assunto, não hesite em nos procurar, estamos aqui para te ajudar e esclarecer todas as questões, para isso basta entrar em contato !

Categorias