3 coisas que o MEI não pode fazer

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter

Muitos brasileiros que sonham em ter seu próprio negócio começam como MEI, por ser o modelo de empresa ideal para se formalizar, manter a organização financeira e garantir os direitos trabalhistas.

Embora possa parecer realmente muito simples, esse regime também exige o cumprimento de algumas diretrizes para que o microempreendedor individual permaneça na legalidade e com CNPJ ativo.

Por isso, é importante estar atento às regras para evitar problemas maiores e não colocar o negócio em risco, que consequentemente, pode gerar punições mais severas.

Em função disso, nós da Talst Contabilidade separamos para este artigo 3 coisas que o MEI não pode fazer, para te ajudar a seguir as regras dessa categoria e garantir o funcionamento do seu negócio.

 

O que é MEI?

O MEI – Microempreendedor Individual, foi instituído pela Lei Complementar nº128, de 19 de dezembro de 2008, para tirar da informalidade pequenos empreendedores e profissionais autônomos.

Ao se formalizar como MEI, o empreendedor passa a ter um CNPJ, direitos previdenciários, acesso a crédito e a possibilidade de emitir notas fiscais.

Os principais requisitos para se formalizar como Microempreendedor Individual é ter um faturamento anual de R$81mil, não ter participação em outra empresa, contratar apenas 1 funcionário e a atividade econômica deve constar na lista de atividades permitidas do MEI.

Além disso, o empreendedor ainda deve recolher o imposto DAS-MEI mensalmente, que equivale a R$65 e fazer a Declaração de Faturamento Anual do Simples Nacional. Quem não pode ser MEI, deve considerar outras opções para abrir um CNPJ.

Atualmente, o país tem mais de 11,3 milhões de empresas abertas como MEI, a maioria dos brasileiros escolhe esse modelo de empresa devido à praticidade do processo e a facilidade do recolhimento do imposto.

 

3 coisas que o MEI não pode fazer

Até aqui você viu quais são as regras para se tornar MEI, no entanto, após a formalização, o que acontece quando algumas dessas diretrizes não são cumpridas?

De fato, o Microempreendedor Individual pode ter graves consequências, como desenquadramento do regime e o pagamento de multas, ou seja, pode não ser tão simples assim.

Por isso, veja agora as 3 coisas que o MEI não pode fazer e anote cada uma delas para não comprometer o seu negócio.

1- Exceder o limite de faturamento

Para se enquadrar na categoria de Microempreendedor Individual, o profissional deve ter um faturamento mensal de R$6.750 e de R$81 mil por ano.

Apesar de existir uma PL que prevê o aumento do limite de faturamento anual para R$130 mil e a contratação de 2 funcionários, o projeto permanece em tramitação, por isso ainda vale o limite de R$81 mil.

Mesmo quando a empresa começa a crescer e obter novos clientes, é importante estar atento ao faturamento, isso porque o se MEI ultrapassar 20% do limite, ou seja, faturar entre R$60 e R$72 mil reais, ele pode ser considerado como uma Microempresa e passará a ser tributado no regime Simples Nacional.

Além da guia de imposto DAS-MEI, o empreendedor deverá pagar outro DAS referente ao valor faturado, solicitar o desenquadramento do MEI e providenciar a mudança do regime tributário que também pode acontecer de forma automática, é importante verificar.

Veja todos os detalhes sobre como funciona o desenquadramento do Mei, neste artigo que separamos para você.

Lembre-se: a melhor forma para evitar ultrapassar o faturamento, é fazer a gestão financeira com precisão, informando o valor das receitas corretamente para prever os lucros e prestar contas sem ser surpreendido.

 

2- Abrir uma empresa ou ser sócio, sendo MEI

Também é exigência da Lei Complementar nº128 para se enquadrar como MEI, não ter outra empresa aberta no nome e nem participar como sócio em outro negócio.

Ou seja, o Microempreendedor Individual não pode ter participação em nenhuma outra empresa, nem como sócio e nem como administrador. Mesmo que tenha, o profissional deve cancelar sua participação para atuar como MEI.

Se ainda assim o empreendedor tiver um CNPJ MEI e uma Microempresa, o CNPJ MEI será transformado em uma empresa convencional, e então deverá pagar multa além de arcar com os débitos em aberto.

Por esse motivo, verifique se não há vínculos com outras empresas, e caso queira atuar como sócio em outra empresa ou com mais de um CNPJ, é importante fazer isso seguindo as diretrizes estabelecidas para as Microempresas.

 

3- Deixar de pagar os impostos

Conforme falamos no início deste artigo, o Microempreendedor Individual deve pagar mensalmente a taxa mínima de imposto – DAS-MEI, cerca de R$65, dependendo da atividade que a empresa está enquadrada.

Entretanto, é muito comum os empreendedores não cumprirem este dever no mês em que a empresa não teve nenhum faturamento.

É importante saber que mesmo que a empresa não tenha movimentações financeiras, o profissional deve pagar o DAS-MEI, assim como é estabelecido pela Lei, do contrário ele pode perder o direito de permanecer nessa categoria e até perder o CNPJ.

Se ocorrer o cancelamento do CNPJ, os impostos serão considerados dívida ativa no CPF, e o empreendedor será responsável por todos os tributos ainda que a empresa esteja encerrada.

Sendo assim, você que é MEI ou pretende abrir um CNPJ como Microempreendedor Individual, deve continuar pagando a taxa de imposto para não perder os benefícios previdenciários e nem arcar com multas e juros por inadimplência.

 

Como abrir um MEI?

Agora que você já sabe as 3 coisas que o MEI não pode fazer, também precisa saber que para abrir um MEI é importante considerar as atividades permitidas pela categoria e se atende aos critérios estabelecidos conforme mencionamos mais acima.

 A boa notícia é que é possível fazer a abertura do CNPJ online, através do site Portal do Empreendedor , é simples e muito rápido, veja o passo a passo abaixo:

  • Acesse o site Portal do Empreendedor e clique em “Quero ser MEI” e depois em “Formalize-se”;
  • Caso ainda não tenha uma conta no “Gov.br”, crie uma e acesse com o seu CPF, em seguida serão solicitados os seus dados pessoais com RG, número de declaração do IR, telefone e endereço residencial.
  • Após preencher os campos, defina as atividades que serão exercidas pela empresa, o Nome Fantasia e local de atuação (em casa, via internet, endereço comercial).
  • Por fim, verifique bem as informações fornecidas, preencha as declarações solicitadas e finalize a inscrição. Não esqueça de emitir o CCMEI Certificado de Condição de Microempreendedor Individual, documento que comprova a inscrição e informa o número do CNPJ e registro na Junta Comercial.

 

Muito fácil, não é mesmo? Faça a abertura do seu CNPJ MEI, aproveite os benefícios que a categoria proporciona e evite cometer os erros mencionados para não prejudicar o desenvolvimento do seu negócio.

Saiba também que você pode contar com a ajuda da Talst Contabilidade  para orientar e esclarecer todas as dúvidas. Fale com nossos especialistas que são profissionais qualificados para indicar as melhores soluções que você precisa!

Categorias